Psicografia – Servir e Não Ser Servido

Servir e Não Ser Servido

 

    Meus amigos queridos de aprendizado, hoje gostaria de compartilhar com vocês o sentido de servir.

    Servir num primeiro momento é um ato de livre e espontânea vontade (livre arbítrio), onde nos colocamos à disposição para algo.

    Muitos hão de pensar que devemos servir somente aos nossos superiores numa hierarquia social, mas servir é muito mais que cumprir uma hierarquia, é muito mais do que obedecer a uma ordem.

    Servir é antes de tudo aquele sentimento que brota do coração e contagia todo o ser (físico e espiritual). É desejar profundamente atender a um ideal nobre, é se colocar em movimento.

    Assim fica natural desejar servir ao Pai, que tanto nos ama com sua infinita misericórdia e sabedoria. E dentro dessa sabedoria temos a certeza de que Ele sabe o que realmente desejamos e precisamos, pois conforme já conversamos em outro momento faz parte do confiar.

    Mas infelizmente, na maioria das vezes invertemos os papeis e no mais íntimo de nosso ser egoísta e vaidoso, mesmo quando recusamos admitir tais sentimentos, nossas ações e pensamentos comprovam tal inversão.

    Como bem colocou o irmão José em outra oportunidade, muito mais do que “fazer” uma prece, precisamos “ser” prece.

    Será que realmente estamos fazendo dessa forma? Ou elevamos nosso pensamento ao Pai e vamos elencando uma infinidade de necessidades, desejos e aspirações, esquecendo de dizer muito obrigado por estar tendo mais essa oportunidade, por estar vivo na Terra?

    E o pior ficarmos chocados e chateados quando as nossas petições não são concretizadas.

    Ora meus amigos, se confio, se sou prece e me coloco a disposição para servir, ao Pai Criador, ao Mestre, a ser um trabalhador voluntário na caravana de Maria de Nazaré no resgate dos que se perderam no caminho, como posso realmente me chocar e chatear se não tenho todas minhas petições aceitas?

    Será que “servir” é exigir que meus pedidos sejam aceitos? Ou estarei querendo ser servido?

    Ou ainda estou duvidando da perfeição do Pai e da superioridade de Jesus e Maria, me colocando acima deles? Analisemos racionalmente: qual vontade deve prevalecer? Quem deve servir e quem deve ser servido?

    Somos nós que realmente precisamos da misericórdia de Deus e da benção de uma nova oportunidade para servir.

    Toda vez que me acho em condições de ter privilégios… eu estou querendo ser servido.

    Toda vez que recuso um trabalho na seara do bem, toda vez que digo não a um amigo, ou até mesmo um desconhecido que me pede auxílio, estou deixando de servir.

    Podemos protestar, usando o subterfugio de que nos colocamos à disposição, mas não houve chamado.

    Quem realmente deseja servir não espera ser chamado, está sempre presente.

    Ainda usamos desculpas como: eu procuro sempre ser o último, sempre ajudo até mesmo nos almoços beneficentes da casa espírita, nunca exalto minhas qualidades… Só não tenho mais tempo para assumir mais atividades… Não posso me comprometer a participar de 2 reuniões na semana, dentre tantas outras coisas.

    Servir não é se negar. É estar atento, aproveitando cada oportunidade que se apresenta para darmos o melhor de nós, agindo com o coração e a maturidade espiritual que o momento exige. E essa maturidade engloba toda e qualquer atividade.

    Tomemos como exemplo a casa espírita, onde existem diversas atividades tais como: cuidar da limpeza, do controle de materiais, das plantas, participar da coordenação de atividades voltadas para arrecadar fundos; recepcionar os que chegam, providenciar água para ser fluidificada, assistir a uma palestra, ser palestrante ou passista ou instrumento através da mediunidade da espiritualidade. Enfim exercer a atividade que se é apresentada no momento, não escolhendo cargos hierárquicos, sabendo que todas as atividades são importante para o Todo, afinal somos TODOS UM.

    Servir também é ouvir o outro, é ser solidário com sua dor, sua aflição e também com sua alegria e vitória.

    Servir é estar sempre pronto para agir com Jesus… distribuindo amor fraternal e a ternura de Maria de Nazaré.

    Servir é ter conduta e pensamentos retos, pois essa é a melhor forma de divulgar a doutrina e os ensinamentos de Jesus.

    Servir é ter a coragem de Maria não se acovardando e nem se escondendo diante das dificuldades e do desconhecido.

    Servir é desenvolver a missão que cabe a cada um, confiando no amparo e intuição que a Espiritualidade Maior nos proporciona.

    Servir é estudar para poder ser um instrumento ainda melhor na seara do bem. Servir é ter disciplina.

    Servir é dizer Sim hoje e agora.

    E você meu amigo, já disse o seu Sim hoje? Já se colocou à disposição para servir?

    Que sejamos eternos servos do Bem.

    Serenidade, ação e muita disponibilidade para servir com amor, nesta longa caminhada de aprendizado e evolução é o que desejo à vocês.

 

Médium: Lúcia (Casa Virtual Luz Espírita).

Espírito: Irmão Matheus (Colônia Espiritual Maria de Nazaré)

 

13.11.2013

Translate »